sexta-feira, 31 de julho de 2009

what to do with myself




THE THIEF

Brooke Fraser

Your eyes are full
Full of the future of us
The air changes as you look across
At me in that wondering way
It is as if

I knew you before we spoke

Do our hearts know something we don't?
Conspiring, converging without giving us any say
You, sing me to sleep
Talk down my walls
Look through my windows
as I wait

You could be the thief

I give the key to

You're ruining me

With secrets and gestures and looks

With sonnets from second-hand books
Playing the chords in me nobody knew how to play
It fits in your hand like water in rain

It unlocks our two different selves
And shows we are the same
Rather than wait `til I put me out for the taking
You're breaking

You're breaking
You're breaking into my heart
And I'm letting you...

Ahhhh. I just don't know what to do with myself!
Olhando da janela do meu quarto, tudo parece lembrar que somos apenas partículas de poeira vagando sem rumo por um cosmo infinito. E que, um dia, tal qual flores na primavera, seremos colhidos e unidos no mesmo vaso para enfeitar a sala de um Rei. E que o único propósito para a nossa existência consiste em esperar. Até quando você acha que chegou a hora. Aí você espera mais um pouco; já que você, enquanto partícula de poeira dispersa no Universo, nunca tem como ter certeza de nada e ao mesmo tempo não age sem ter certeza. Então, você não age, e fica esperando. Esperar. A base da vida é esperar...
Esperar pelo que é ruim, mas é bom... E quando você começa a viver esse paradoxo que você tanto espera, você começa a achá-lo paradoxal demais, o que faz com que você se sinta estúpida por desejar uma coisa e depois desdesejá-la...
Mas, ao mesmo tempo, esse paradoxo parece ser uma grande catacrese. Apesar dele ser um verbo, por exigir ações, ele se torna sustancial, substantivamente característico e adjetivo. Ele se torna o seu combustível, sua motivação. Até que ele te leve para um abismo medonho, e, perdão pelo eufemismo, te leve pra uma melhor...
Ah, e tudo me lembra também de que nada faz sentido. Especialmente esses parágrafos aí em cima. Eles não fazem sentido nenhum. Até mesmo pra você, que se identificou com minha dor e entre lágrimas pensou no significado maravilhoso das mihas palavras. Não faz sentido, porque, acredite, eu sei exatamente o que você pensou.
Acho que vou parar por aqui. E como eu disse no começo desse post, I don't know what to do with myself. Se algum de vocês tiver uma sugestão, por favor, me ajude. Acho que fui invadida pelo thief da Brooke Fraser...

Obrigada por passar aqui e ler minhas brisas de adolescente em crise.

3 comentários:

Victor Porto! disse...

Portanto: Esperemos.

*Linda a letra da música*
=)

kporto disse...

meww, seu blog ta lindo!

linda letra!!

esperemos [2]

dothhhh♥ disse...

=D