sexta-feira, 14 de agosto de 2009

olhar só pra dentro...


Gente, mil perdões pela pouca atenção que tenho dado aqui! Sou blogueira, mas também sou leitora, e odeio quando pessoas legais (tipo eu. heheheh) ficam muito tempo sem postar/postam asneiras inúteis/postam na base do ctrl+c + ctrl+v. Ulitmamente eu meio que tenho me encaixado nas três categorias, e peço desculpas! Mas, sinto muitas saudades de vcs! Ouvindo uma música do poeta da vida (jota quest ^^) me chamou a atenção o seguinte trecho:

"
...olhar só pra dentro é o maior desperdício..."
Aí, foi tipo como se fogos estourassem e uma luz brilhasse iluminando todo o mistério da escuridão que havia em mim. Já pensou no tempo que você passa olhando pra dentro? Olhando e preocupando-se consigo mesmo? No tempo que, segundo Jota Quest, você desperdiçou? Passamos tanto tempo conosco mesmos que esquecemos que somos nossa pior companhia (do contrário a cela solitária não seria uma punição!). Nossas crises parecem bichos-papões prestes a nos devorar, nosso conforto e nossa própria satisfação são nossas causas principais. E, enquanto nos preocupamos conosco, estamos muito ocupados para simplesmente olhar para o lado. Vivemos preocupados em parecer bem e maquiar o mundo com nosso sorriso alegre e saltitante de cristão que tem a edificação pessoal como meta principal. Mas tá certo, se a coisa é tão bonita quando alguns desejam crer... Onde estão inseridos aí aqueles meus companheiros de sala que experimentaram pela primeira vez um "beck" de maconha durante o ensino médio passando a experimentar o álcool que, antes de sair da tutela dos pais para estudar, nem lhe sabia o sabor? Uma delas, inclusive, virou a grande preocupação da minha turma porque estava assim jovenzinha tornando-se uma alcoólatra. Eu não consigo entender minha insistência em olhar pra mim mesma quando literalmente do meu lado estão aquelas minhas colegas que tiveram sua primeira experiência sexual com aquele cara do terceiro ano. E onde está aquele meu amigo filho de um pastor e teólogo separado de sua esposa frequentando as mais altas baladas sem expectativa de um futuro seguro e amado por Deus? E aquele menino de outro colégio que se suicidou? E a aluna que está orgulhosa por ter beijado aquele carinha "mais gostoso" da festa?
Porquê, mesmo vendo, eu me recuso a enxergar? Porquê eu, mesmo sabendo que sou a criatura podre que sou, amo tanto estar comigo mesma, pensando em mim mesma, preocupando-me com meu próprio futuro?
Quando verei que meus cálculos e minhas preocupações nunca me tornarão a mulher que quero ser? Quando verei que toda a doutrina e conhecimento que adquiro nas minhas ocupações pessoais é inútil? Quando me cansarei de ser como o homem vermelho, quase roxo, que nunca cheirou uma flor,nem olhou uma estrela. Nunca amou ninguém. Nunca fez outra coisa senão somas. E o dia todo repete como eu insisto em repetir: “Eu sou um homem sério! Eu sou um homem sério!” e isso o faz inchar-se de orgulho. Mas ele não é um homem; é um cogumelo!
Eu não quero ser só um cogumelo! Eu estou cansada da geração de cogumelos que está se levantando! A geração fast food, onde contabilizar e planejar é top, que se acha séria e adulta, mas nada mais é que um cogumelo! Que acha que há pessoas mais importantes que outras!
Como disse o pequeno príncipe:


- Eu conheço um planeta onde há um sujeito vermelho, quase roxo. Nunca cheirou uma flor. Nunca olhou uma estrela. Nunca amou ninguém. Nunca fez outra coisa senão somas. E todo o dia repete como tu: "Eu sou um homem sério! Eu sou um homem sério!" e isso faz com que ele inche de orgulho. Mas ele não é um homem; é um cogumelo!
- Um o quê?
- Um cogumelo!
O principezinho estava agora pálido de cólera.
- Há milhões e milhões de anos que as flores fabricam espinhos. Há milhões e milhões de anos que os carneiros as comem, apesar de tudo. E não será sério procurar compreender por que perdem tanto tempo a fabricar espinhos inúteis? Não terá importância a guerra dos carneiros e das flores? Não será mais importante que as contas do tal sujeito? E se eu, por minha vez, conheço uma flor única no mundo, que só existe no meu planeta, e que um belo dia um carneirinho pode liquidar num só golpe, sem avaliar o que faz, - isto não tem importância?!
Corou um pouco, e continuou em seguida:
- Se alguém ama uma flor da qual só existe um exemplar em milhões e milhões de estrelas, isso basta para que seja feliz quando a contempla. Ele pensa: "A minha flor está lá, nalgum lugar..." Mas se o carneiro come a flor, é para ele, bruscamente, como se todas as estrelas se apagassem! E isto não tem importância!


Cada ser humano é para Deus como uma flor única. E, está na hora de darmos menos importância a nossa salvação pessoal (que nada mais é que cálculos) e começar a descobrir os espinhos das flores! Chega de doutrina! Chega de ciência! Chega de teoria podre, de conhecimento! Chega de egocentrismo! Vamos VIVER JESUS! Vamos parar de acrescentar anos as nossas vidas, e acrescentar mais vidas aos nossos anos!

abração de urso e beijão de borboleta;


Nenhum comentário: