quarta-feira, 9 de março de 2011

Oi gente!
Post de finzinho de feriado! 
Parei aqui, agora, nada antecipadamente programado... Ou melhor: muitos, muitos pensamentos matutando, deliberando, possuindo-me, mas nada maduro o suficiente para ocupar uma postagem inteira aqui.
Dias difíceis, ano difícil... Vida difícil. Na verdade, acho que ninguém nunca disse que seria fácil. E no meu caso, acho que tudo tem que ser mais intenso e dramático. Preciso de Valium, lembram?
A coisa é: tudo está sendo muito mais difícil do que eu esperava que seria. Sempre achei que tinha facilidade para tomar decisões. Essa foi inclusive a coisa em que eu me baseei a vida inteira para me definir. Nunca fui do tipo que experimenta 1324345 roupas antes de sair, e tal. E começa essa coisa inexplicável de eu não conseguir decidir mais nada, desde o sabor de bolo que vou comer no café da tarde até o curso que vou fazer na faculdade ano que vem. E eu fico com vontade de bater a minha própria cabeça na parede. Tudo o que eu posso dizer é que usar de  'bipolar' para me definir seria um eufemismo. Eu sou tetra, penta, hexapolar. E hoje, enquanto eu estava me contorcendo em angústia, senti Ele me falando: 'Por que você não simplesmente me deixa amar você?'. E pensei que talvez isso seja uma boa ideia. Vivemos à margem do que realmente fomos criados pra ser: amigos de Deus. E isso é um saco, porque passamos um tempão mergulhados nos padrões terrenos, como nadadores embaixo d'água. E achamos que nascemos pra ficar lá, respiração presa. Mas não! Quero ser o que fui criada para ser, entendem? Amada. E quero ser uma expressão deste amor. É esse o meu alvo pro meu ano, ou melhor, pra minha vida: ser uma expressão de amor!
Eu acho que esse é o pior post que já escrevi pra cá, hahahaaha. Mas, como ele é de pensamentos aleatórios, vou soltar outro: estava formatando o note, e achei uma nota de um amigo. Não vou falar o nome dele, pq não pedi autorização, mas esta nota silenciou-me por um tempo: 



'Estou aqui, seus olhos me vendo
Olhando dentro de mim
me decifrando
Já vi muitos olhares
mas nenhum igual ao seu
que me leva a lugares
onde descubro quem sou eu (...)'


E só pude dizer: 'UAU'! E é assim que me sinto. Sendo estudada, como uma tela em branco, em frente a um pintor Divino. Percebo que "meus  rabiscos" estão sendo apagados depois que "certo sangue" foi derramado sobre a tela. Pensei que iria manchar, mas não... A tela está tornando-se branca. Mais alva que a neve. E por mais que às vezes esta tela pareça ter vontade própria, tentando arrancar à força o pincel das mãos do Pintor, ela sabe que está em boas mãos, e mal pode esperar para ver o que ela se tornará. 

2 comentários:

José Paulo disse...

Oi é a primeira vez que faço um comentário, mas vou te falar algo que já deve ter ouvido muitas vezes você é incrível, seus textos são muito bom. (Em poucas palavras Show de Bola rs)

Lucas disse...

Que texto lindo Doth!
Nem preciso dizer que adoro ler seus posts né?
Gostei muito da música que você citou, e tenho certeza que quem a escreveu também gostou de ver um pedacinho dela aqui...hehehe
Um abração!

Lucas

PS: Tenho uma música nova pra te mostrar.