sábado, 21 de abril de 2012

eu sei que vou ter ressaca moral, mas...

Não vou mentir pra vocês: há muitas horas que eu tenho vontade de ter um blog anônimo, pra poder escrever a besteira que eu quiser e ninguém saber que fui eu. Mas, eu acho que isso é uma baita de uma covardia, então, aqui estou eu, dando a minha cara a tapa. 


Eu tenho alguns princípios. Lisbeth Salander, a querida protagonista da série Millenium, do sueco Stieg Larsson, usa um termo que eu vou tomar emprestado: avaliar as consequências. Antes de comer uma caixa de bis inteira, você tem que pensar que você vai se sentir muito gorda depois. Antes de tomar decisões em situações de tensão, você tem que pensar na repercussão delas. Antes de ir ao mercado com fome, você tem que pensar que provavelmente você vai voltar pra casa com 30 hambúrgueres e algumas dúzias de pacotes de bolacha recheada. Antes de xingar a mãe da diretora do campus da sua universidade na reunião dos discentes, você tem que pensar que ela vai ter no mínimo mais 4 anos pra ferrar com a sua vida. Enfim, antes de escrever um post melodramático pro seu blog em uma noite solitária de sexta feira enquanto você ouve 'Sozinho' de Caetano Veloso, você tem que pensar que muitas pessoas vão lê-lo e você mesma vai morrer de ressaca moral na manhã seguinte.


Eu avaliei as consequências e estava pensando em me afundar na melancolia e guardar tudo pra mim, mas a fofa da Cíntia (eu imagino que ela vai odiar esse 'fofa') me incentivou a arrancar a dor do peito e devolver ao remetente. E eu vou fazer isso, mesmo que tenha que acordar cedo amanhã (ou hoje) e que a ressaca moral vá me engolir depois.
Talvez eu esteja num misto de TPM e crise de fim de adolescência. Acho que fim de adolescência acontece quando, como habilmente descrito pela Cíntia, a gente troca as crises de choro nervoso por um 'que paia'. E eu não curto nem um pouco essa história de 'somos todas princesas e escolhemos esperar e tal', mas tem hora que é muito legal se agarrar a essas ideias. Muito mais seguro. 


"Eu pensei... Eu pensei que você gostava de mim."
O que você pensa quando não está pensando direito


É sempre decepcionante quando a gente considera alguém como "quem sabe ele poderia ser alguém legal na minha vida blablablá" e depois começa a se sentir mal e ansiosa. Dói um pouquinho. E não é q estava necessariamente sentindo algo por ele, mas às vezes o que dói é perder a esperança de ter encontrado "the one".
Por mais que eu faça o tipo 'moderna', eu acredito que um dia vamos encontrar alguém q vai ser o melhor amigo e nunca vai nos deixar inseguras ou incertas a respeito das suas atitudes em relação a nada. O Greg do livro He's not into you (em português, Ele simplesmente não está tão a fim de você. Sim, eu li. Não, você não tem o direito de fazer comentários) nem é crente e ele diz várias vezes que um cara, quando tá apaixonado, vai fazer de tudo pra que você saiba que ele gosta de vc, porque ele não vai correr o risco de te perder pra outro. A gente não vai ter que se sentir perdida e vai ser simples e bom e de Deus.

E eu não sei se a gente tem só que esperar ser descoberta e não pode ser 'cachorra' e tal. Mas, sei que seria muito melhor se as coisas fluíssem com essa naturalidade. E nem adianta tentar relevar, tentar fingir que não existe, tentar me prometer que eu nunca mais vou fazer de novo, porque não vai rolar. Eu vou poupar o tempo de vocês e não vou ficar cheia de mimimi de 'só vou gostar de que gosta de mim' porque além de isso ser um saco, essa resolução costuma durar só algumas horas. E só pra constar: tá difícil a transição do rio de lágrimas para o 'que paia'.

Eu só sei que vou-me embora pra Pasárgada!

 "Hoje eu tenho apenas uma pedra no meu peito
Exijo respeito, não sou mais um sonhador
Chego a mudar de calçada quando aparece uma flor
E dou risada do grande amor...
(Mentira!)"
Samba do Grande Amor - Chico Buarque

5 comentários:

Ágata Larsen disse...

é...não és a única a passar por estas crises, sei bem que é frustrante, ate deprimente....nao ha manual de instruções pra lidar c o problema (ou até há), mas a prática é sempre mais dificil que a teoria...força nessa caminhada! Com Deus..!

Juliane Oki Carraro disse...

Doth... realmente vc eh minha irmã de alma viu...você me descreveu nesse exato momento.. amo vc,guria!! Bjs

Cíntia Ribeiro disse...

Fofa? Fala sério, hauhauahahu.

Sei bem como você se sente. Esses assuntos são tão complicados... Essa semana eu tive uma crise, depois de sonhar com uma pessoa que eu não vejo há muitos anos. Ainda não passou, mas já diminuiu, hahaha. (Entenda: Já parei de stalkear o Facebook feito louca procurando alguém conhecido e estou só ouvindo músicas que me lembram daquela época)

Bjos

Day disse...

Doth, tinha muito tempo que eu não lia seus textos, me falta tanto tempo e eu sinto muito, porque você escreve lindamente, e eu amo muito tudo isso =) Beijos

Aline Ramos disse...

Oiiii Dothhh!!! Menina, tanto tempo que não venho aqui que acho que precisarei me reapresentar!! rs. Que sensação gostosa ler seus textos, minha linda! Só queria dizer que essas confusões do coração aí também acontecem por aqui, viu! No fim, somos todos seres humanos e, em nossos casos, estamos todos no mesmo caminho estreito né? Mas tudo isso também é aventura e aprendizado. Como diz a Ana Jácomo: "Mesmo que isso tenha me assustado muito aqui e ali, no somatório de tudo, foi graça, alívio e abertura". É isso aí!

Saudade de você, princesa crisálida! Você é muito linda! (E uma de minhas melhores amigas descobriu você e se apaixonou pelo seu blog! Murielle Badin, minha maninha de coração poeta! xD Que vocês possam ser luz uma na vida da outra! ^^)

Beijão e que o Pai continue a encher de segurança e alegria seu caminho!